Museu da Escrita

20170119_114502
Silêncio! Monges copistas trabalhando. Foto: Izabel Lima

A postagem de hoje é uma pequena dica de visita para os apaixonados pela escrita e/ou curiosos de plantão: o Museu da Escrita Profª Maria Isaurita Gomes Morais.

O museu, idealizado pelo sr. José Luís, fica localizado na Rua Dr. Walder Studart, 56, bairro Dionísio Torres, Fortaleza – Ceará e funciona de segunda à sexta das 09h ás 13h e no período da tarde, mediante agendamento, das 14h às 17h. A entrada é R$ 20 e estudantes pagam meia. Eu sei que o horário é um pouco complicado, mas vale a pena mexer na agenda para encaixar a visita. Continuar lendo

Anúncios

Aberta chamada de submissão de trabalhos para o 34º Painel Biblioteconomia

mesa de trabalho
Vamos produzir, gente! Fonte: Pixabay

Está aberta, até o dia 17 de julho, a Chamada para submissão de trabalhos para o 34º Painel Biblioteconomia de Santa Catarina.

Em 2016 o evento tem como tema: “Interdisciplinaridade na Ciência da Informação: o papel social do profissional” e acontecerá entre os dias 11 e 12 de novembro deste ano, na Faculdade da Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina, em Criciúma.

Artigos e relatos de experiência submetidos devem está nos moldes da Revista da ACB e a submissão é realizada diretamente pela plataforma da revista. Cada autor poderá submeter, no máximo, dois trabalhos como autor principal ou coautor. Confira o edital do evento para obter mais informações.

Faltam três semanas para o fim do prazo de submissão, então corre e submete seus trabalhos. Vamos socializar nossas experiências!

Obras de referência para profissionais da informação

Como prometido, a postagem de hoje trata das obras de referência cujo conteúdo foca em uma ou mais ciências da informação. Se você chegou agora pode querer dá uma olhada na postagem em que explicamos o que são obras de referência.

arrow-2564_1280
Informação? É por aqui, sr(a) Fonte da imagem: Pixabay

As obras de referência podem assumir diversos formatos, mas no caso da biblioteconomia, arquivologia, ciência da informação e áreas afins uma boa parte das obras de referência existentes assume o formato de dicionário ou glossário. Então vamos a elas!

CUNHA, Murilo Bastos da; CAVALCANTI, Cordélia Robalinho de Oliveira. Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 2008. 451 p.

554615_AmpliadaQuem frequenta o Estante de Bibliotecária já se deparou com citações da obra Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia. Na verdade foi essa obra a inspiração pra criação da “seção” #BiblioTermos aqui no blog. Esse livro reúne os principais termos de ambas as áreas e os verbetes foram elaborados a partir de um excelente referencial teórico. O que mais gosto é o fato das definições serem na medida, nem curtas nem extensas demais, além das várias remissivas que a obra possui.

Continuar lendo

Arquivologia, Biblioteconomia, Museologia e Ciência da informação: o diálogo possível – Resenha

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Arquivologia, Biblioteconomia, Museologia e Ciência da informação: o diálogo possível. Brasília, DF: Briquet de Lemos: São Paulo, SP: Associação Brasileira de Profissionais da Informação, 2014. 200 p.

Preservar a memória por meio da guarda documental e, mais recentemente, possibilitar o acesso aos documentos que registram essa memória é uma das maiores e mais antigas preocupações da humanidade. Assim sendo, ao longo dos tempo, várias áreas de atuação e profissionais surgiram (e se especializaram) visando atender a essa necessidade.

De todas as áreas que se dedicam a organização, preservação e disseminação da informação três se destacam pela magnitude de suas origens e contribuições. São elas: Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia. Cada uma delas contribui para que a humanidade se (re)conheça e cresça por meio da informação disponibilizada em diferentes formatos. Elas, apelidadas por Johanna Smit, de “três marias”, ganharam no início do século passado a companhia da Ciência da Informação. Estando essas quatro áreas dedicadas ao trato informacional vem a pergunta: “Em que pontos elas se encontram e dialogam entre si?” Continuar lendo