Quantas escritoras estão no seu catálogo?

E se uma pessoa chegasse hoje, agora, nesse exato minuto, na biblioteca onde você trabalha procurando livros escritos por mulheres? De quantas escritoras diferentes você teria obras para oferecer? Quão variados seriam os temas e gêneros dessas obras? Quão diverso seria o perfil dessas escritoras?

Sim, porque se tem uma coisa que nós, mulheres, não somos é pasteurizadas, homogêneas, portanto, nossa escrita também não é pasteurizada, homogênea. Assim como nós, ela é plural. Assim como ela, o acervo das bibliotecas também deve(ria) ser.

Me peguei pensando nisso dia desses e resolvi compartilhar esse questionamento com vocês. E aí, quantas?

Lendo mulheres

Pouco mais de um ano atrás eu estava tranquilamente navegando na internet quando me deparei pela primeira vez com a hashtag Leia Mulheres (#leiamulheres) e todo movimento que existe por trás dela. Fiquei curiosa e comecei a acompanhar alguns comentários e textos explicando do que se tratava.

Para quem não conhece, o Leia Mulheres começou em 2014 quando a escritora e ilustradora Joana Walsh criou a hashtag #readwomen2014 para incentivar a leitura de obras escritas por mulheres. No Brasil, Juliana Gomes, Juliana Leuenroth e Michelle Henriques decidiram transformar a ideia em um clube de leitura com encontros mensais. Mas adivinhem só?! A ideia deu tão certo que virou um projeto com site, parcerias (a mais recente foi com a Garimpo Clube do Livro o que permitiu criar uma versão do clube para assinantes) e encontros espalhados por cidades de 20 estados brasileiros e contando. Continuar lendo

Mais um texto sobre a importância de continuar a nadar

Uma das qualidades que mais aprecio nas pessoas é a capacidade de saber quais são seus pontos fortes e fracos. Considero essa qualidade indispensável para ser um bom profissional, mas pouca gente tem a capacidade de fazer essa auto-avaliação de maneira sincera.

Se você sabe no que é bom pode investir nisso e usar essas competências como seu cartão de visitas. Provavelmente seus colegas vão associá-las a você, vão dizer que elas são a sua cara. Invista nelas! Torne-se cada vez melhor no que você já domina. Sério! Não tenha medo de ser referência e de dizer “sim, eu sou bom em determinado tema ou atividade”. Dito assim parece arrogância, né? Mas se você consegue fazer algo e faz esse algo bem, qual o problema em admitir isso? Continuar lendo

Não tenha medo de ser uma bibliotecária atrapalhada

Eu sou uma pessoa atrapalhada e óbvio que essa característica também se reflete na bibliotecária que sou, ou seja, sou uma bibliotecária atrapalhada.

fish-1834805_640
Como diria a Dory: “Continue a nadar, continue a nadar…” Fonte da imagem: Pixabay

Ser uma bibliotecária atrapalhada significa, dentre outras coisas, derrubar incontáveis vezes os bibliocantos – perturbando assim o sagrado silêncio da biblioteca – gaguejar horrores, não ter metade do glamour e seriedade que deveria ter e, ao bancar a cerimonialista de um evento, trocar o nome da própria oficina que irá ministrar. Pois bem, essa sou eu e sou culpada de todas essas coisas. Continuar lendo

Hiatos e meta de leitura

Faz tempo que não venho aqui, mas fiz tanta coisa bacana nesse meio tempo que sobrou pouco tempo pra falar com vocês por aqui. Um projeto grande no trabalho ganhou o mundo e estou realmente orgulhosa de está envolvida na realização dele. Fiz um curso maravilhoso sobre mídias sociais. Avancei bastante na escrita de um texto que estava – ainda está – azucrinando meus neurônios e li muito, mas muito mesmo.

Porém, ler muito não quer dizer que alcancei a meta que tinha estabelecido no começo do ano. Dos 24 livros – que na verdade eram 25 porque um deles se divide em 2 volumes –  que formavam a lista li 18, ou seja, faltam 6 para terminar. O que é um desempenho mais do que aceitável. Continuar lendo

Quem inspira você?

Hoje é Dia do Bibliotecário/a e resolvi passar por aqui para te fazer uma perguntinha: Quem inspira você profissionalmente?

Podem ser bibliotecários/as do passado e do presente. Podem ser (ex-)professores. Podem ser colegas de curso. Pode até ser um profissional que não seja da área de Biblioteconomia. O importante é que essa pessoa te ajude a encontrar equilíbrio na sua profissão e contribua para despertar o melhor que há em você.

A inspiração pode começar de muitas formas. Alguém pode ser inspirador (pra você) por uma série de motivos. Continuar lendo

Desapega! Desapega! Ou como em 2015 eu… Doei livros

O ano que passou foi aquele no qual, dentre outras coisas, eu decidi trabalhar o desapego. Foi um processo longo – durou o ano inteiro! [e continua, pois é algo que se leva pra vida] – e causou estranhamento em muita gente, mas foi uma das coisas mais legais que fiz em 2015.

Vocês devem está se perguntando porque estou falando de desapego aqui no blog, pois explico. Um dos pontos nos quais foquei durante esse processo foi aprender a me desfazer dos meus LIVROS.

Sim, você leu direito. Eu me desfiz de boa parte dos meus livros. Na verdade, devo ter doado uns 150 exemplares aproximadamente. Digo doar porque eles não foram só para amigos e conhecidos [ou nem tanto], mas também para bibliotecas. Um colega de outro estado levou uns 15 para uma biblioteca comunitária da cidade dele. Continuar lendo