Quantas escritoras estão no seu catálogo?

E se uma pessoa chegasse hoje, agora, nesse exato minuto, na biblioteca onde você trabalha procurando livros escritos por mulheres? De quantas escritoras diferentes você teria obras para oferecer? Quão variados seriam os temas e gêneros dessas obras? Quão diverso seria o perfil dessas escritoras?

Sim, porque se tem uma coisa que nós, mulheres, não somos é pasteurizadas, homogêneas, portanto, nossa escrita também não é pasteurizada, homogênea. Assim como nós, ela é plural. Assim como ela, o acervo das bibliotecas também deve(ria) ser.

Me peguei pensando nisso dia desses e resolvi compartilhar esse questionamento com vocês. E aí, quantas?

Clubes de assinatura de livros

still-life-1037376_640
Até o ursinho gosta de ler

Alguns dizem que eles são uma nova roupagem do clássico círculo do livro. Talvez sejam mesmo. O fato é que nos últimos dois anos a quantidade de clubes de assinatura de livros vem crescendo. A proposta é simples, você paga uma assinatura e recebe, todos os meses, na sua casa um (ou mais) livro surpresa. Dependendo do clube, os livros enviados podem ser acompanhados de algum mimo relacionado a obra. Continuar lendo

Trocando livros no Skoob

retina-logo
Corujinha leitora no pedaço! Fonte da imagem: Blog do Skoob

Recriei minha conta no Skoob – que é uma rede social voltada para leitores – alguns meses atrás e resolvi utilizar uma das funcionalidades mais interessantes oferecidas por essa mídia social:  a troca de livros entre seus usuários. Continuar lendo

Nem toda doação é um ato de amor

No ano passado escrevi um pouco sobre desapego em relação aos livros. A maior parte dos livros dos quais me desfiz acabou indo parar nas mãos de amigos e colegas de Biblioteconomia, mas alguns foram doados para bibliotecas.

Agora, se até eu que não tinha tantos livros assim já doei livros para bibliotecas, imagina quem acumula documentos nos mais diversos formatos durante anos e anos e anos? Muitas dessas pessoas um belo dia resolvem “organizar seus acervos” e separam pilhas de livros, revistas, xerox, gibis, blocos de anotações, vhs, dvd, panfletos, apostilas e manuais de microondas (sim, manuais de microondas) e resolvem que não precisam mais desses materiais. Continuar lendo

Coincidência?

Essa postagem é só pra compartilhar a foto desse letreiro fantástico 😀

placa
E aí, segundo o parâmetro do letreiro, você está perto ou longe da extinção? Fonte da imagem: James Feeheley

Hiatos e meta de leitura

Faz tempo que não venho aqui, mas fiz tanta coisa bacana nesse meio tempo que sobrou pouco tempo pra falar com vocês por aqui. Um projeto grande no trabalho ganhou o mundo e estou realmente orgulhosa de está envolvida na realização dele. Fiz um curso maravilhoso sobre mídias sociais. Avancei bastante na escrita de um texto que estava – ainda está – azucrinando meus neurônios e li muito, mas muito mesmo.

Porém, ler muito não quer dizer que alcancei a meta que tinha estabelecido no começo do ano. Dos 24 livros – que na verdade eram 25 porque um deles se divide em 2 volumes –  que formavam a lista li 18, ou seja, faltam 6 para terminar. O que é um desempenho mais do que aceitável. Continuar lendo

Desapega! Desapega! Ou como em 2015 eu… Doei livros

O ano que passou foi aquele no qual, dentre outras coisas, eu decidi trabalhar o desapego. Foi um processo longo – durou o ano inteiro! [e continua, pois é algo que se leva pra vida] – e causou estranhamento em muita gente, mas foi uma das coisas mais legais que fiz em 2015.

Vocês devem está se perguntando porque estou falando de desapego aqui no blog, pois explico. Um dos pontos nos quais foquei durante esse processo foi aprender a me desfazer dos meus LIVROS.

Sim, você leu direito. Eu me desfiz de boa parte dos meus livros. Na verdade, devo ter doado uns 150 exemplares aproximadamente. Digo doar porque eles não foram só para amigos e conhecidos [ou nem tanto], mas também para bibliotecas. Um colega de outro estado levou uns 15 para uma biblioteca comunitária da cidade dele. Continuar lendo